Segunda-feira, 15 de Agosto de 2011

Consta por aí...

 

 

Diz-se à boca pequena que deverá estar pronto em breve um documentário sobre a colaboração entre Kurt Rosenwinkel e a Orquestra Jazz de Matosinhos  (a confir-

mar)  para o álbum Our Secret World.

 

Eis um "cheirinho" do que apanhei por aí...

 

 

Entretanto, a OJM regressou há dias  (9 a 13 de Agosto)  a Nova Iorque, onde tocou no famosíssimo Birdland com o mesmo Rosenwinkel

 

E ainda dizem que o jazz em Portugal continua na mesma??!!??!!   Haja paciência!!!

 

 

           A OJM com Rosenwinkel na pausa de um ensaio no Iridium, de Nova Iorque  (Setembro, 2010)

 


Publicado por Manuel Jorge Veloso o_sitio_do_jazz às 14:56
Link para este post
Quarta-feira, 10 de Agosto de 2011

Jazz em Newport (2011)

 

                          
               
               
                   
                  
                         

Tal como no ano passado  (e caso não tenham reparado na realização do festival),  podem aqui e agora ouvir nas calmas, sem necessidade de fazer noitadas ou muitas contas aos fusos horários, alguns dos excelentes concertos do passado fim de semana, durante a 56ª. edição do Festival de Jazz de Newport.

 

Trata-se de mais um serviço público da NPR  (National Public Radio),  a rádio pública norte-americana, em estreita colaboração com as estações associadas WBGO e WGBH, que aqui saúdo com a devida vénia.

 

E, sem mais comentários, eis alguns dos grupos que actuaram em 6 e 7 de Julho e que aqui pode escutar, sendo possível nalguns casos descarregar os respectivos ficheiros MP3 para o seu computador e noutros casos ver até os próprios vídeos (!):

 


 

Ambrose Akinmusire Quintet

Ambrose Akinmusire, trompete; Walter Smith III, sax-tenor; Sam Harris, piano; Harish Raghavan, contrabaixo; Justin Brown, bateria.

(57m 05s)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(ouça o som aqui e veja o vídeo aqui)



 

Steve Coleman & Five Elements

Steve Coleman, sax-alto; Jen Shyu, voz; Jonathan Finlayson, trompete; David Virelles, teclados; Thomas Morgan, contrabaixo; Tyshawn Sorey, bateria.

(57m 53s)

 


 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

(ouça e descarregue o som aqui)                                                   

 


 

Rudresh Mahanthappa & Bunky Green Apex Quintet

Rudresh Mahanthappa, sax-alto; Bunky Green, sax-alto; Matt Mitchell, piano; Francois Moutin, contrabaixo; Damion Reid, bateria.

(74m 57s)

 

(ouça e descarregue o som aqui)



 

Avishai Cohen's Triveni Quartet

Avishai Cohen, trompet; Drew Gress, contrabaixo; Eric Harland, bateria, com a convidada Anat Cohen, clarinete.

(63m 49s)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(veja o vídeo e descarregue o som aqui)

 


 

Ravi Coltrane Quartet

Ravi Coltrane, sax-tenor; Luis Perdomo, piano; Drew Gress, contrabaixo; E. J. Strickland, bateria.

(45m 09s)

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(veja o vídeo e descarregue o som aqui)

 


 

Mingus Big Band

Kenny Rampton, trompete; Alex Sipiagin, trompete; Earl Gardner, trompete; Conrad Herwig, trombone; Joe Fiedler, trombone; Earl McIntyre, trombone; Wayne Escoffery, sax-tenor; Seamus Blake, sax-tenor; Alex Foster, sax-alto; Scott Robinson, sax-alto; Lauren Sevian, sax-barítono; Helen Sung, piano; Luques Curtis, contrabaixo; Johnathan Blake, bateria.

(53m 19s)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(ouça e descarregue o som aqui)



 

John Hollenbeck's Large Ensemble (1)

John Hollenbeck, bateria; Dave Ballou, trompete; Jon Owens, trompete; Laurie Frink, trompete; Tony Kadleck, trompete; Alan Ferber, trombone; Jacob Garchik, trombone; Mike Christianson, trombone; Rob Hudson, trombone; Tony Malaby, sax-tenor/palhetas; Dan Willis, sax-tenor/madeiras; Jeremy Viner, palhetas; Ben Kono, sax-alto/madeiras; Bohdan Hilash, sax-baixo/palhetas; Uri Caine, piano/orgão; Kermit Driscoll, baixos; Patricia Franceschy, percussão; Theo Bleckmann, voz; Kate McGarry, voz; J.C. Sanford, direcção.

(69m 13s)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(ouça o som aqui)

 

(1)   Nota:  esta formação actuará, como tal, no Jazz em Agosto   (Domingo, 14.08.11)

 


 

Miguel Zenón's Puerto Rican Songbook

Miguel Zenón, sax-alto; Luis Perdomo, piano; Hans Glawischnig, contrabaixo; Henry Cole, bateria, com With Nathalie Joachim, flauta; Jessica Schmitz, flauta; Domenica Fossati, flauta; Alexey Gorokholinsky, clarinete; Christof Knoche, clarinete-baixo; Katie Scheele, oboé; Keve Wilson, corne inglês; Brad Balliett, fagote; Jennifer Kessler, trompa; Ian Donald, trompa. Guillermo Klein, direcção.

(58m 54s)

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(ouça o som aqui)

 


Fotos:  Erik Jacobs (NPR);  Vídeo:  XI Media Productions;  Áudio:  David Tallacksen (WBGO)


 

Publicado por Manuel Jorge Veloso o_sitio_do_jazz às 17:31
Link para este post
Sexta-feira, 5 de Agosto de 2011

Os 20 anos do Jazz no Parque (2)

 

 

 

Dave Douglas' Tea for Three  (23.07.11)

 

Sem que tal intenção / coincidência / analogia tenha estado porventura subjacente à escolha das duas últimas formações que, em sábados consecutivos  (23.07.11 e 30.07.11),  este ano preencheram a metade final do cartaz comemorativo dos 20 anos de existência do ciclo Jazz no Parque  -- o sexteto do trompetista Dave Douglas e o quinteto do contrabaixista Chris Lightcap  --,  o certo é que, na prática musical, sendo embora muito diverso o jazz que cada um deles tinha para nos propôr, ambos acabaram por ter entre si um ponto de contacto, ou seja, a circunstância de, na frente dos sopros, num grupo como noutro, se apresentarem lado a lado instrumentos pertencentes às mesmas famílias:  trompetes e saxofones.

 

E se no primeiro caso  (três trompetes)  se pode dizer que terá sido esta a primeira vez que, numa pequena formação, vi e ouvi este invulgar trio instrumental  (sem que qualquer fliscorne tivesse sido utilizado, por exemplo, em ordem a uma deliberada e diversificada estratégia tímbrica),  a verdade é que, mais uma vez, dificilmente se poderia ter imaginado que a performance da música apresentada no segundo concerto estivesse a cargo de outros instrumentos que não, precisamente, dois sax-tenores, na exacta medida em que a eventual inclusão  (mais corrente)  de um trompete, um trombone ou até um saxofone de outra tessitura, não atribuiria a mesma qualidade e homogeneidade tímbrica à música que aquela instrumentação, em concreto, serviu.

 

Não pode deixar de saudar-se, desde já, a possibilidade de, pela primeira vez, nos ter sido proporcionada a audição  (dificilmente repetível)  de um grupo e de um projecto cuja constituição e conceito é assaz inabitual e que, para já, terá sido imaginada e convocada por Dave Douglas para uma única digressão europeia, da qual poderá resultar ou não  (quem sabe?)  a gravação de um álbum.

 

Este simples facto, para além da expectável originalidade de que o reputado trompetista norte-americano costuma rodear os seus múltiplos e diversificados projectos musicais, afigurar-se-ia a meu ver suficiente para mobilizar o interesse, quando não a mera curiosidade, da crítica especializada dos grandes jornais generalistas de referência.  Não foi isso que, pelos vistos, se verificou, o que dá uma ideia de como está desinteressada e preguiçosa, quando não orientada de forma sectária, a opinião jazzística publicada nesses mesmos media.

 

Acontece, porém, que para além da estatura de indiscutível cultura teórica e exuberância técnica de que costuma dar provas o já citado Dave Douglas, estavam ainda em palco, por si convocados, nada menos que o israelita Avishai Cohen, ascendente revelação  (já hoje certeza)  da cena actual nova-iorquina, o transalpino Enrico Rava, mui consagrada personalidade do jazz internacional das últimas quatro décadas (!), e ainda os igualmente destacados sidemen do mesmo Douglas:  Uri Caine (piano), Clarence Penn (bateria) e Linda Ho (contrabaixo), esta substituindo sem mácula o habitual James Genus.

 

 

Sublinhe-se, em primeiro lugar, neste descontraído contexto conceptual com bonomia intitulado Tea for Three, a curiosidade  (e, com frequência, o regalo)  que foi ver e ouvir divergirem por atalhos opostos ou convergirem em caminhos comuns aqueles três trompetistas, ao sabor dos eventos musicais cujo traçado estava previamente estabelecido na partitura  ou consoante os comentários / desvios / ocorrências que a individualidade de cada um tornava oportunos ou inseria como sintoma de inconformismo e inquietação criativa. 

 

Assim pôde descobrir-se ou confirmar-se como Dave Douglas é um dos mais personalizados, surpreendentes e abertos solistas, compositores e líderes do jazz contemporâneo;  como Avishai Cohen sabe sublinhar e reforçar, sem demagogia, oportunismo, despropósito ou facilitismo, o seu apego não forçado ao rico acervo da linguagem tradicional do instrumento;  e como Enrico Rava é sempre capaz de deixar a marca da sua sabedoria jazzística de anos, quer puxando-nos para as aventuras e os arrebatamentos do aleatório quer reconduzindo-nos à beleza clássica da melodia, ou não fosse ele um italiano de gema.

 

Estas três concepções tão díspares da expressividade de um mesmo instrumento  -- no fundo, estes três ramos bem diversos de um mesmo tronco  --  materializaram-se sobretudo, como seria natural, nas amplas improvisações que os músicos desenvolveram ao longo daquele fim de tarde, que o mesmo é dizer no lado mais pessoal do estilo de cada um.  Mas puderam também ser estimuladas, reciprocamente, nos frequentes momentos de composição escrita ou de contraponto espontâneo que colocavam em compita os três trompetistas, ainda distintos entre si pelas técnicas de embocadura e de ataque, pelo vibrato ou pelo som liso e ainda  (no caso de Cohen)  pelo uso de surdinas.

 

 

Para a generalizada qualidade do concerto, contributo sem dúvida importante foi o da chamada secção rítmica, com um Uri Caine, extremamente swingante, a evocar de forma simbólica as influências de Tyner ou Kelly, Linda Ho, por vezes intervindo com uma "puxada" que fez esquecer James Genus, e ainda Clarence Penn, delicado, impetuoso, mas subtil q.b., embora algo prejudicado pela captação sonora (engenheiro de som do próprio grupo).

_______________________________

 

Fotos:   uma performance equilibrista de Rava, Caine, Cohen, Douglas e Ho em instalação da exposição Off The Wall  (Museu de Serralves).  Cortesia de © John Kelman  (All About Jazz).  Restantes:  cortesia de Fundação de Serralves e © Silvana Torrinha.

 


 

Chris Lightcap's Bigmouth  (30.07.11)

 

No fim de semana seguinte, a curiosidade  (também, pelos vistos, pouco desperta na imprensa)  teria de ir para a presença em palco de um quinteto que se destacara, com a publicação do álbum  Deluxe  (Clean Feed),  entre os mais badalados das listas dos melhores discos de jazz de 2010, quer cá por casa quer lá fora.  Refiro-me ao grupo Bigmouth, do contrabaixista norte-americano Chris Lightcap, cuja formação normalmente inclui talentosos músicos da cena nova-iorquina contemporânea, como os saxofonistas-tenor Tony Malaby e Andrew Bishop  (este alternando com o ausente Chris Cheek),  o teclista  (piano acústico e Fender Rhodes)  Gary Versace (que substituiu o mais habitual Craig Taborn)  e o baterista Gerald Cleaver.

 

Para além da referência já adiantada acerca da peculiar conjugação dos sopros   (dois sax-tenores)  e da sua evidente adequação ao repertório específico do grupo, importa referir que foi no capítulo da composição (uma importante parcela das peças ouvidas no concerto) que residiu o que de mais e menos positivo pude encontrar na performance do quinteto, assim me tendo parecido relativamente irregular o resultado final do mesmo.

 

 

Embora em alguns momentos do concerto a matriz composicional de Lightcap tenha feito lembrar longinquamente a de um outro compositor e contrabaixista do jazz contemporâneo  (Ben Allison),  o facto é que o traçado das obras tocadas, deixando perceber uma clara originalidade do seu recorte melódico e dos seus fundamentos harmónicos, se manteve algo similar de peça para peça, como foi patente  (pelo menos de um modo subjectivo)  no mimetismo que me pareceu existir entre, por exemplo, Silvertone e Year of the Rooster  (talvez demasiado próximas em termos de alinhamento),  pese embora esta última se ter concluído por uma espécie de hino, de certo modo evocador de Albert Ayler.

 

Pelo contrário, um interessante contraste não deixou também de existir nas versões ouvidas de Platform, com uma misteriosa métrica irregular e um recorte klezmer nos seus saltos intervalares;  Ting, um tema agitado e exposto em linhas paralelas evocando, além do mais, uma batida funky;  ou o desenvolvimento sinuoso e juvenil de Celebratorial, um pouco à maneira do primitivo Ornette;  e sem esquecer The Clutch, o melhor momento do concerto, com um tema anguloso, minimal e circular, muito bem instrumentado para a conjugação dos acordes do piano acústico com as vozes dos dois tenores e solos simultânos em progressivo crescendo, até atingir um paroxismo que sacudiu em termos emocionais a música ouvida.

 

 

No plano instrumental, se o cotejo entre o já consagrado Tony Malaby e o  (para mim) menos familiar Andrew Bishop, se manteve vivo de princípio a fim pelas abertas possibilidades de diferenciação e aproximação que a estética das composições implicava   -- com o mais recatado Bishop a soar porventura melhor integrado nessa estética do que o impulsivo e contagiante ardor improvisativo de Malaby --   já a extrema musicalidade de Gary Versace pôde revelar-se em praticamente todas as peças, com especial relevo para as já referidas Ting e The Clutch. Quanto ao próprio Chris Lightcap, só com o decorrer do concerto se foi progressivamente adaptando a um contrabaixo que não era o seu, acabando sem dúvida em plano superior e em profícuos diálogos com o delicado percussionismo de Gerald Cleaver, este chegado ao recinto duas horas antes do concerto começar (!), depois de uma directa e de algumas bolandas de avião para avião.

 

 

Já a captação de som resultou bem melhor e equilibrada do que no concerto do sábado anterior, assim ficando demonstrado que, às vezes, "santos da casa  (Nuno Aragão)  fazem milagres!"

____________________

 

Fotos:   cortesia de Fundação de Serralves e © Silvana Torrinha.

 


 

Publicado por Manuel Jorge Veloso o_sitio_do_jazz às 15:05
Link para este post

Área pessoal

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Para memória futura

Bernardo Sassetti (1970 ...

E no entanto ele move-se....

Ao vivo... Adam Rogers & ...

Em directo, do Village Va...

11 de Fevereiro de 2012

Depois da reabertura, a r...

Vídeos recentes (made in ...

A redonda celebração do G...

A redonda celebração do G...

Visionamentos...

Primeira audição

Consta por aí...

Jazz em Newport (2011)

Os 20 anos do Jazz no Par...

Serralves: já lá vão dua...

Intervalo (11)

Intervalo (10)

Intervalo (09)

Intervalo (08)

Intervalo (07)

Intervalo (06)

Intervalo (05)

Intervalo (04)

Intervalo (03)

Intervalo (02)

Intervalo (01)

Quem não se sente...

Sempre!

"Um Toque de Jazz" em Fev...

Arquivos

Outubro 2014

Maio 2012

Abril 2012

Fevereiro 2012

Dezembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Tags

achados no baú

achados no baú (14)

achados no baú (15)

achados no baú (16)

achados no baú (17)

achados no baú (18)

achados no baú (19)

achados no baú (20)

achados no baú (21)

achados no baú (22)

achados no baú (23)

achados no baú (24)

achados no baú (25)

animação

ante-estreias

ao vivo

àpartes

arquivos

artigos de fundo

balanços

blogs

boas festas

bónus de verão

cinema

clubes

colectâneas

concertos

concertos internacionais

concertos portugueses

cooncertos

dedicatórias

descobertas

desenhos

directo

discos

discos em destaque

discos estrangeiros

discos nacionais

distribuidoras

divulgação

documentos históricos

editoras

editoriais

editorial

efemérides

em directo

ensino

entrevistas

escolas

escutas

férias

festivais

fotografia

gravações ao vivo

grupos estrangeiros

história

história afro-americana

homenagens

hot clube

humor

internet

intervalos

jazz

jazz ao vivo

jazz no cinema

leituras

links

live stream

livros

mp3

música sinfónica

músicos

músicos estrangeiros

músicos internacionais

músicos portugueses

músicos residentes

músios estrangeiros

natal

novos discos

obras-primas

pavões

pessoas

podcasts

portugal

prémios

primeira audição

produtores

produtores estrangeiros

r.i.p.

rádio

recursos

reedições

televisão

um bónus de verão

um toque de jazz

video-clip

vídeos

village vanguard

visionamentos

visitas

todas as tags

Links

Subscrever feeds